Visitantes

................................................................................................

.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

O Rei e o Carrasco - uma ficção sobre Sua Alteza Real, Sr. Roberto Carlos


Roberto Carlos. 

Quem ouviu o OverDrama da terça-feira passada, na rádio Mínima FM, deve lembrar do texto sobre Roberto Carlos que Sofia Ferreira e eu lemos ao vivo. Escrito a convite do jornal Pioneiro e publicado no dia 13/04/2013, a intenção era homenagear o músico através de depoimentos de diversos artistas, profissionais e personalidades do RS. Todos deviam falar sobre algum aspecto marcante da carreira dele, algo que merecesse ser comentado nas páginas do tal periódico. Eu, que nunca fui fã do intitulado "Rei" - e que sempre ouvi falar da sua "proximidade" com o alto escalão do poder durante a ditadura militar no Brasil - criei essa premissa para uma peça hipotética, onde juntei o passado obscuro de Roberto, suas consecutivas batalhas judiciais, ao presente obscurantista do "pastor" Marco Feliciano. No texto abaixo, acrescentei um final impactante, porém coerente com o que se espera desses personagens, se estes fossem mesmo levados à cena. É isso. Se alguém tiver interesse em encenar essa peça, é só me contatar... é claro, isso se a censura não bater antes e se os advogados do "Rei" não impedirem a nossa estreia, como costumava acontecer nos velhos tempos e - no caso dele próprio - costuma acontecer ainda hoje. 

Boa leitura. 


Caderno Almanaque - Jornal Pioneiro | 13/04/2013

O Rei e o Carrasco
Sinopse por Diones Camargo


2013. Num luxuoso prédio do bairro da Urca, no Rio de Janeiro, um homem toca a campainha e é recebido por uma empregada negra vestida com trajes do século XVIII e usando uma peruca branca. O homem se identifica como Zé Paulo, um delegado (na verdade, um ex-agente da ditatura) e velho amigo do dono da casa. A empregada sai para avisar o seu patrão que o tão esperado visitante chegou.

Após algum tempo, entra Roberto Carlos descendo de um elevador vindo do alto, de um ponto onde não se pode ver. Sua incensada voz chega antes. Depois é a vez de seu corpo mutilado - como um Ricardo III da nossa época. Em pânico, o “Rei” expõe a situação catastrófica na qual se encontra: sua biografia não-autorizada, escrita por Paulo César de Araújo está prestes a ser relançada no mercado mesmo após ter sido recolhida das prateleiras anos atrás, a mando de seus advogados. Graças a uma nova lei aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e prestes a ser sancionada pela presidenta do país, a tal lei permitirá a divulgação de imagens e informações biográficas de personagens públicos, a despeito da vontade desses. Por esse motivo, o “Rei” está apavorado com a possibilidade do conteúdo do tal livro de Paulo César ser finalmente levado ao grande público – principalmente as partes em que se refere à sua proximidade com o alto escalão do poder durante os anos da ditadura militar no Brasil. A fim de evitar o escândalo iminente, ele pede ao Mr. DOPS (apelido dado a Zé Paulo pelos seus amigos mais íntimos, quando este ainda era delegado do Departamento de Ordem Política e Social de São Paulo) que encontre um jeito de impedir mais uma vez a divulgação do conteúdo do livro, e de preferência varrê-lo para baixo do tapete da história, tal como havia feito em 1979, quando o ex-mordomo do “Rei” havia tentado o mesmo – ato subversivo que foi impedido por um processo que acabou deixando o pobre homem à beira da miséria e o tal livro atirado ao completo esquecimento.




Preocupado, o Mr. DOPS informa que na atual conjuntura política é quase impossível qualquer impedimento explícito ou amedrontamento ainda que sutil, já que os tempos são outros e que agora a Comissão Nacional da Verdade – órgão que pretende expor ao povo as ações das forças armas e da polícia durante o regime militar, e investiga as violações dos direitos humanos naquele período – está de olho em cada um dos ex-agentes da ditadura, e se alguém os denunciar por abuso de poder ou qualquer outro crime, eles podem vir a se complicar ainda mais. Portanto, além de terem “esqueletos no armário” (e, principalmente, ossos no fundo do mar) o suficiente para se preocuparem pelo resto desta e de tantas outras vidas, qualquer ato impensado que possa parecer resquício de censura será visto com maus olhos pela opinião pública, o que dará mais força à Comissão de Direitos Humanos, instituição que supervisiona de perto a abertura desses arquivos e que pede constantemente a punição dos responsáveis pelos crimes daquela época, tal como vem ocorrendo em alguns países da América do Sul e ao redor do mundo.

Em meio ao desespero de ambos, eles chegam à única solução possível: os dois devem unir forças para, através de seus prestígios na grande mídia e influências políticas, colocar no mais alto trono da Comissão de Direitos Humanos alguém que fará de tudo para atrapalhar o andamento das investigações e o cumprimento da lei; alguém capaz de ser tolerado pela maioria da massa de cordeiros e, assim, impedir definitivamente a divulgação de qualquer documento secreto que possa causar constrangimentos indesejáveis – sejam arquivos repletos de crimes da ditadura militar, seja uma biografia contendo segredos igualmente inconfessáveis. Nesse momento, tomados por um senso de responsabilidade com a história a qual estão intimamente ligados, eles telefonam para alguns dos seus amigos e estes aconselham um único e absoluto nome acima de qualquer outro na face da terra; um nome santo e irretocável: o pastor Marco Feliciano. A partir deste momento, começa a campanha para colocar o deputado no poder a despeito dos seus comentários abomináveis, da reação do povo e da opinião pública brasileira. Tudo isso em prol da conservação de uma ditadura velada que ainda impera no Brasil, com seus ícones culturais e políticos, e suas atitudes e opiniões repletas de conservadorismo e abusos diários de poder.

No final, a peça termina com a empregada negra do Rei sendo chicoteada pelo Mr. DOPS a mando do pastor Marco Feliciano, enquanto Roberto Carlos – alheio a tudo – canta uma de suas melosas e absurdas canções.


Roberto Carlos e o Mr. DOPS da realidade. Para saber mais, CLIQUE AQUI.



quinta-feira, 18 de abril de 2013

"9 Mentiras Sobre a Verdade" faz últimas apresentações em SP


Dirigido pelo cineasta Gilson Vargas (Casa Afogada) e escrito pelo dramaturgo Diones Camargo (Hotel Fuck), o monólogo 9 Mentiras Sobre a Verdade, da Cia. Teatro Líquido, faz suas últimas apresentações de sua temporada em São Paulo, após percorrer diversos festivais nacionais e internacionais. 




Interpretada pela atriz Vanise Carneiro, Lara é uma mulher perdida no limiar entre a realidade e ficção, cuja existência se encontra num momento decisivo onde o cotidiano intolerável parece ser oferecer saída. Pelo seu desempenho sutil, numa atuação repleta de nuances que transita constantemente entre o cômico e o dramático, Vanise recebeu o Prêmio Açorianos de Melhor Atriz 2010, além de diversos elogios da crítica e do público.






CRÍTICAS SOBRE O ESPETÁCULO:


Vanise encontra um registro delicado de dissimulação da ansiedade, deixando escapar pelas frestas de seu discurso e de seus gestos a insegurança e o tormento interno da personagem.

Luciana Ramagnolli, jornalista e crítica teatral, para o site FENTEPP - Festival Nacional de Teatro Presidente Prudente


"O gênero do monólogo no teatro é lembrado muitas vezes por ter um texto pesado e talvez até maçante. Não é o caso dessa peça (...) A atriz Vanise Carneiro possui um magnetismo digno dos ícones da época de ouro do cinema americano. Ela cativa a imaginação do espectador do começo ao fim do espetáculo, com muita leveza e provocando risos e muita identificação entre o público."

Marco Vieira, jornalista e crítico teatro, especial para o site NE10

 “... é um trabalho que prende a atenção e encanta pela qualidade geral e pelas particularidades que evidencia (...) a partir de um texto muito interessante de Diones Camargo, resultando numa encenação concebida pelo próprio autor, a atriz e o diretor Gilson Vargas.

Antônio Hohlfeltd, crítico teatral, no Jornal do Comércio do Rio Grande do Sul


 “9 Mentiras Sobre a Verdade arranja-se bem nas inversões de expectativas. É teatro apropriando-se sutilmente da linguagem do cinema não para narrar em projeções, mas configurar imagens que as palavras dizem ou que os poucos adereços e objetos vintage deixam entrever no palco.

Valmir Santos, crítico e jornalista, no blog Telejornal



"9 Mentiras" entre os selecionados pela Revista Bravo! (março/2013)




FICHA TÉCNICA 

Texto: Diones Camargo 
Direção: Gilson Vargas 
Elenco: Vanise Carneiro 
Iluminação: Fernando Ochôa 
Vídeos: Gabriela Bervian Cenário  
Figurino: Cia. Teatro Líquido 
Trilha Sonora Original: Gilson Vargas e Gabriela Bervian 

Contato com a Produção: teatroliquidocia@gmail.com 11- 994095831 – Lidia Paula Sahagoff


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...